Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2016

Preciso Eu Dizer Mais?

Preciso Eu Dizer Mais?

Olhe nos meus olhos
E veja o que está dentro
Coloque as mãos sobre o coração
E sinta o que se sente
Olhe para dentro de minha alma
Veja e sinta o meu amor
Com cada batida do coração
Um batimento de amor
Isso é para sempre seu ...
Dá-me uma razão
Mais uma vez o sorriso ...
Eu procuro palavras
Para descrever o que eu sinto
Nem o céu, a lua as estrelas
Esse amor poderia comparar
Pois basta ver no meu olhar
Pra sempre sua... Lucia

Montanha

Montanha

O espaço entre nós não é tempo
Não são pensamentos, palavras ou ações
É Destino
Por um caminho a ser feito
Que traz dois mundos separados
A juntar-se novamente
Ambos devemos subir a mesma montanha
Cada um em ambos os lados de uma viagem
Torna-se uma criação compartilhada que elimina as diferenças
Cada passo alimenta o desejo de conhecer uma vida para além da montanha
Toda luta fortalecendo seu vínculo
Cada chegada a uma nova fronteira
Conquistando as dúvidas, confusões e separação
Encontramo-nos acima das nuvens
Reunidos e abraçados um com outro
Olhamos o céu e estamos em casa
O que nasce entre nós...
Flui para os mundos que conhecemos...
Lucia

Bom De Doer

Bom de doer

Escrevi-te um poema...
Sem letras...
Sem palavras...
Composto de pensamentos...
Cheio de suspiros...
Nele deitei a minha alma...
Gritei o nome, sem um único som...
Juntei-lhe a lembrança do teu toque...
E a esperança de ter de novo, o teu cheiro e sabor...
E morri, desejando sentir a tua mão a apertar a minha...
E o calor, do teu abraço apertado...
Natalina Tavares

Vidas Cruzadas

Vidas Cruzadas

História que se cruzou
Vida que vem junto
Que toca o coração
Vida unida por um instante
Onde se simula a eternidade
Naquele único momento
Que atravessa a vida do outro
Mas depois você percebe
Que se acreditou na falsa ilusão
Você percebe que nem sequer tocou
Que a palavra amor ...
Era apenas uma figura da linguagem
Não escutou
Não existia...
Parecida com a areia
Que desliza por entre os dedos
Do modo que o coração perde a sua ilusão
Não era verdade
Foi apenas a mente que havia criado tudo ...
Do nada!
(Lucia)